sexta-feira, 8 de abril de 2011

História do bairro da Casa Verde

por Semanario da Zona Norte

Casa Verde é um bairro da cidade de São Paulo, localizado no distrito da Casa Verde, na Zona Norte. Tradicional bairro de sambistas, é famoso por ser o bairro das escolas de samba Império de Casa Verde e Morro da Casa Verde. É um bairro relativamente recente, seu aniversário é comemorado no dia 21 de maio. A região hoje ocupada pelo bairro de Casa Verde foi, nos primeiros anos do Século 17, fazenda de Amador Bueno da Ribeira, na época - 1638 - um dos homens mais ricos e influentes de São Paulo: Provedor da Capitania, Capitão-Mor, Ouvidor, Contador da Fazenda Real e Juiz de Órfãos. Era tão poderoso que o povo pretendeu aclamá-lo rei de São Paulo, em 1641. A Casa Verde está cheia de episódios históricos. Tanto que mereceu a consagração em um livro do eminente historiador paulista Aureliano Leite. Segundo o referido autor, foi na Casa Verde que se plantou café pela primeira vez em solo paulistano. Da fazenda Casa Verde, já em 1795 se exportava café. Daqui, a planta se espalhou para o Vale do Paraíba.

Fazenda Casa Verde

O bairro de Casa Verde, inicialmente levava o nome de Vila Tietê. Tratava-se de uma região de solo muito fértil, onde predominava a atividade agrícola. Plantava-se trigo, cevada, vinha, algodão, cana, marmeleiro e chá. Os quarenta e quatro mil pés de chá, evidenciavam a importância deste produto na região. No entanto, o principal plantio, era o de café, o qual se dava na grande Fazenda Casa Verde. De alta qualidade, foi exportado para a Europa, conhecido por café da Fazenda Casa Verde. A partir daí, a região passou a ser conhecida pelo nome da Fazenda, o qual acabou por se consolidar com a história de algumas moças.

Tenente general José Arouche Rondon

Arouche Rondon, dono da Fazenda, tinha três lindas filhas, que faziam muito sucesso entre os jovens estudantes de direito da época. Todo fim de semana reuniam seus amigos, na casa da família, no Largo São Bento, de onde partiam para a Fazenda Casa Verde. Depois de passar por vários proprietários, a Fazenda Casa Verde de Amador Bueno, tornou-se propriedade de João Maxuell Rudge, em 1882.

João Maxwell Rudge

No início do século, por volta de 1912, Horácio Vergueiro Rudge decidiu lotear as terras e nelas criar um novo bairro, com o nome de Vila Tietê. O empreendimento foi bem sucedido, mas o nome não pegou e a voz popular consagrou-o definitivamente como Casa Verde. O bairro era habitado apenas por pobres chacareiros, em geral chegados de Portugal e da Espanha, pois, para chegar ao centro de São Paulo, (apesar de não ser muito longe), era necessário que se atravessasse a várzea, sempre alagada e mal cheirosa. O primeiro lote de terreno, foi vendido ao português J. Marques Caldeira, oficial de justiça, no dia 21 de maio de 1913. Sua localização era na esquina das ruas João Rudge com rua Saguairu.

Ponte de madeira

Por volta de 1915, os irmãos Rudge, construíram a ponte sobre o rio, usando madeira de lei, ponte que era tosca e estreita e que representou um grande impulso para a região. O crescimento do bairro foi relativo e lento, até que em 1922 os trilhos de bonde chegaram ao bairro. Oswaldo de Souza Rudge, auxiliado eficientemente por seu pai Horácio Vergueiro Rudge, implantava a Transvias Canadenses.

O bonde

A inauguração do bonde no ano de 1922, foi muito festiva, correndo a população a homenagear ruidosamente os diretores da empresa elétrica, senhores Mac Connel e Edgar de Souza. Este veículo trouxe um novo panorama e desenvolvimento ao bairro, situado a 6 Km do cento da cidade. A partir da instalação do bonde, o bairro foi crescendo animadoramente, os estábulos mal cheirosos, casas pobres, cediam espaço para belas casas de funcionários e pequenos profissionais.Em 1929, a população já pagava impostos e começou a exigir novos melhoramentos como: água potável, esgoto, luz, escolas e calçamento. A luz elétrica foi instalada em 1937. Depois disso, entre 1940/1950, a casa Verde experimentou um verdadeiro “boom”. Nesse período, foi o bairro da Zona Norte que apresentou o maior crescimento demográfico. Ajudados pela municipalidade e, também às suas expensas, os irmãos Vergueiro Rudge beneficiaram o novo bairro, facilitando o acesso através de longos aterros, pois além dos locais bastante acidentados, existia uma grande parte que alagava constantemente com as chuvas.

Melhorias

As primeiras ruas traçadas foram: Inhaúma, John Rudge, Casa Verde, Saguairu, Mandei, Jaguaretê e as Praças Centenário e Baroré.Pela Lei 2.335 de 28 de dezembro de 1928, foi criado o Distrito, com área de 10,91 Km2. Antes, fora instalado o Posto Policial, e a primeira autoridade foi o Sr. José Fazolaro. O Distrito abrangia a área pertencente à antiga fazenda e as Vilas: Bianca, loteada em 1930; Éster, Parque Peruche, São Bento, Baruel, ambas urbanizadas entre 1930/1940; e ainda as Vilas Bandeirantes, Retiro Feliz, Santista, Laranjeiras que surgiram nas décadas de 40/50. A Vila Baruel tem este nome devido a um antigo proprietário do sítio, em 1857, Sr.Francisco Baruel.O Jardim São Bento é parte de uma antiga chácara aberta no meio da mata virgem, e propriedade de José Góis Morais, em 1702. O Jardim das Laranjeiras surgido por volta de 1940 ganhou esta denominação por situar-se próximo ao Bairro do Limão.

Décadas seguintes

O Distrito possui várias paróquias. A mais antiga é a Igreja de São João Evangelista, cuja pedra fundamental foi lançada no dia 25 de janeiro de 1925. A autoridade eclesiástica esteve representada pelo monsenhor Pereira de Barros. Em 1950, a Casa Verde passou a contar com uma nova linha de bonde que ligava o bairro à Vila Maria. Os primeiros a pararem de circular foram os da linha 55 que ligava o bairro ao Centro. Isso a 12 de agosto de 1966. A linha 61 que ia até a Vila Maria, parou a 20 de janeiro de 1967. No mesmo ano de 1950, deu-se início a construção da tão sonhada e esperada ponte de concreto, que foi construída e entregue no ano de 1954, trazendo grande progresso para o bairro e toda Zona Norte. Na década de 1960, o divertimento principal no bairro, eram os cinemas: Casa Verde, na Praça Centenário, Cine Dom José, na rua Lucila na Igreja Nossa Senhora das Dores e Cine Santa Izabel na Avenida Engenheiro Caetano Álvares, além dos tradicionais bailes nos salões da Sociedade Amigos de Casa Verde e Associação Atlética Az de Ouro, além das quermesses das Igrejas São João Evangelista e Nossa Senhora das Dores.

Comércio

Apesar do aparente desenvolvimento, o comércio hoje é incompleto e bastante esparso, o que faz com que apenas 50% da população faça suas compras no próprio bairro. O restante se locomove para o centro da cidade ou bairros vizinhos, como Santana, Barra Funda, Bairro do Limão, etc. No ano de 1976, o empresário José Martiniano Sobrinho, idealizou e fundou o Clube dos Lojistas de Casa Verde, juntamente com vários comerciantes do bairro, visando melhorar e incentivar o comércio local. O Clube teve uma duração de 22 anos. A concorrência é forte e atualmente o moderno Shopping Center Norte representa uma concorrência grande não só para o bairro da Casa Verde, como para toda a Zona Norte de São Paulo. Por causa da zona acidentada, poucas indústrias foram instaladas no bairro, existindo por volta de dez indústrias, entre as quais: Guararapes, confecção Riachuelo, situadas na Av. Casa Verde e Rua Leão XII respectivamente, Concremix, fabrica de concreto, situada na rua Iapó com a Marginal do Tietê, Super mercado Pão de Açúcar, várias empresas de ônibus interestaduais, e recentemente o bairro ganhou uma filial do supermercado Carrefour.

Estrutura

O bairro é essencialmente residencial, possui uma Administração Regional, hoje transformada em Subprefeitura pela prefeita Marta Suplicy, seis igrejas Católicas, uma Delegacia 13º. Distrito Policial, um Cartório Civil, uma Companhia da Policia Militar do Estado de São Paulo, denominada 1a. Cia do 9º. Batalhão, um jornal denominado “O Jornal da Zona Norte “, fundado em 1979, entidades beneficentes e esportivas dentre as quais destacam-se: Sociedade Amigos de Casa Verde, Lions Clube São Paulo - Casa Verde, Centro Social Casa Verde, Clube de Diretores Lojistas de Casa Verde, Associação Atlética Az de Ouro, Sociedade Amigos do Jardim São Bento, Baruel F.C., Clube Atlético Cruz da Esperança, Veteranos Paulista F. C., Sociedade Amigos da Vila Baruel, etc., 3 escolas de sambas: Escola de Samba Unidos do Peruche , Escola de Samba Império da Casa Verde e Escola de Samba Morro da Casa Verde. Possue ainda três escolas municipais, dez escolas estaduais e oito escolas particulares. Ainda hoje, a maior parte das casas datam do início do século, algumas vêm sendo demolidas, para dar lugar a construções novas, pois os moradores são antigos e conservadores. Até a década de 80, eram poucos os prédios existentes, pois até esta data, o Campo de Marte proibia construções altas numa vasta área que rodeia a rota dos aviões. Este fato foi um dos culpados pelo desenvolvimento retardado do bairro, além da ausência de bibliotecas, áreas de lazer, centro cultural, pronto socorro, etc. Hoje, este fato foi revisto pelo comando da Aeronáutica, que liberou parte da faixa proibida, e Casa Verde começa a ganhar seus arranhas-céu e com isso ganhando desenvolvimento habitacional e comercial. No ano de 1987, o empresário José Martiniano Sobrinho, empresário no setor imobiliário do bairro e diretor do Jornal da Zona Norte, residente no bairro desde 1950, reuniu um grupo de amigos, lideranças do bairro e dezenas de diretores de várias entidades do bairro, e idealizou após um longo estudo, para definir a data de fundação do bairro de Casa Verde, tendo sido oficializada através de lei municipal pelo vereador Walter Abrahão, a data da venda do primeiro lote de terreno na Rua Saguairu esquina com a Rua João Rudge, no dia 21 de maio de 1913.

Política

Na área política, Casa Verde elegeu na década de 1950, o farmacêutico Paulo Ferreira Campanha, para vereador, em seguida tivemos o vereador dr. Humberto Fanganiello, Urbano Reis, elegeu-se duas 2 vezes vereador, e uma vez como deputado estadual, tendo participado da elaboração da Constituição do Estado. Flôro Pereira da Silva, deputado estadual e mais recentemente a eleição do dr.Alberto Calvo, eleito vereador suplente nas eleições de 1988, tendo assumido ao longo da gestão. No pleito seguinte se reelegeu para o período de 92 a 96, tendo sido eleito em 1994 deputado estadual pelo PSB, e reeleito em 1998. O radialista esportivo Walter Abrahão, foi eleito 2 vezes vereador, em 1988 e reeleito em 1992, tendo em 1993 assumido o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Município. No ano de l996, o filho do dr. Alberto Calvo, dr. Rubens Calvo, foi eleito vereador suplente, tendo assumido o mandato, para ser reeleito no ano de 2.000 .

Filhos ilustres

A casa Verde tem filhos ilustres, tais como:

Ademar Ferreira da Silva - Na esfera esportiva, Casa Verde tem também seus filhos ilustres. Prova disso, são as duas medalhas olímpicas de ouro conquistadas pelo nosso saudoso Ademar Ferreira da Silva, na categoria de salto triplo nas olimpíadas de 1952, na Finlândia, e 1956, na Austrália.

Pugilista Eder Jofre Eder - Nosso galinho de ouro, foi campeão mundial de boxe na categoria Galo durante quatro temporadas consecutivas de 60 a 64, além dos campeões Sul-Americanos Luiz Ignácio (Luizão) e Ralf Zumbano.

Serginho Chulapa - Outro destaque para a prata casaverdense é o jogador de futebol Serginho Chulapa, ou melhor Sérgio Bernardino, tendo iniciado sua carreira nos campos da várzea de Casa Verde.

Ainda podem ser destados outros espotistas como o jogador de vôlei, o campeão Montanaro, outro atleta criado no bairro. Basílio, que ficou famoso e apelidado de o “Pé de Anjo” por ter marcado o gol que deu o título ao Corinthians Paulistas após uma longa espera de 25 anos, nasceu na Casa Verde, tendo iniciado sua trajetória esportiva no Cruz da Esperança no Bairro da Casa Verde. Cláudio Roberto Sollito, goleiro 4 vezes campeão pelo Corinthians, também é prata casaverdense.

Fonte: http://semanariozonanorte.com.br/exibenoticia.asp?idnews=2330

Nenhum comentário:

Postar um comentário